Confira alguns artigos e produções mais recentes

Educomunicação e sustentabilidade: saúde psicossocial em contexto de pandemia de desinformação

A pandemia da COVID-19 é acompanhada de uma profusão de desinformação que confunde e provoca sofrimento nas pessoas. Essa situação nos obriga a dedicar energia em dobro: na prevenção da doença e no constante embate de ideias motivado por informações controversas. Como se proteger dessa realidade e conseguir refletir de forma propositiva sobre o momento e situação que vivemos? Quais as relações que podemos estabelecer entre a cultura da (des)informação e a sustentabilidade? Que atitudes podem ser tomadas para melhorar nossa saúde psicossocial e nos fortalecer no enfrentamento dessa e de outras situações que podem surgir, em uma realidade de colapso socioambiental? Essas são algumas questões de fundo para o nosso diálogo sobre o campo da educomunicação, sua relação com a sustentabilidade, com as epistemologias do Sul e a necessidade de editarmos nosso mundo com consciência e ética.

As Tecnologias de Informação e Comunicação como agentes de integração do currículo com a glocalidade

A partir de um estudo de caso qualitativo sobre o programa de extensão Educom.Cine, que promoveu a produção audiovisual no ensino fundamental, refletimos sobre a possibilidade das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) se configurarem como a espinha dorsal de um currículo mais atento aos processos de integração da escola com sua localidade. Nesta perspectiva, a escola se tornaria o centro de gerenciamento de diversos canais comunitários de comunicação, onde a produção escolar seria vinculada e publicizada à toda a comunidade. Esta se configuraria em uma proposta de integrar o uso das TIC no ambiente escolar com seu uso não-formal, estimulando os estudantes a agir no local (bairro) pensando também no global, numa perspectiva glocal.

Educomunicación: ¿Contracampo o intersección?

La Educomunicación surge de los estudios de las prácticas de los educadores y co- municadores populares en Iberoamérica, como una interface entre los campos de la educación y la comunicación. Paulo Freire funda el campo al establecer el vínculo entre la teoría de la comunicación como diálogo y el proceso de aprendizaje circular entre el educador/educando y el educando/educador. Por otro lado, Mario Kaplún refuerza el carácter educativo de toda comunicación, establecida entre los emisores/ receptores (EMIRECs). Estos dos perfiles de desempeño se consolidan en la figura del educomunicador, que reúne las principales competencias necesarias para educadores y comunicadores del siglo XXI. Al complementar dos revisiones teóricas llevadas a cabo en Brasil sobre Educomunicación, una desde el campo de la Educación y la otra del campo de la Comunicación, identificamos elementos que pueden clasificar la Educo- municación como un supra-campo o, según nuestra definición, como un contra-cam- po capaz de establecer diálogos con los otros campos del conocimiento, promoviendo la valoración de la ecología de saberes presente en la sociedad. Como contra-campo, la Educomunicación deja la posición de interface para convertirse en la posibilidad de descubrir nuevos puntos de vista en cualquier otro campo, cumpliendo la misma función del plan que es responsable de establecer el diálogo en el lenguaje audiovisual. Esta perspectiva contribuye a justificar su aspecto universal, confirmado por diversas acciones en el contexto global.

Educomunicador como agente de integração das tecnologias de informação e comunicação na escola (Tese)

O tema da pesquisa é a Educomunicação, entendida aqui como uma abordagem epistemológica voltada à promoção da atitude cidadã por meio do fortalecimento de ecossistemas abertos e democráticos (Soares, 2013). A questão a ser esclarecida é o papel das Práticas Pedagógicas Educomunicativas (PPE) na integração das diversas agências de formação no ecossistema do espaço institucional educativo. As PPE implicam o uso dos meios de comunicação social na aprendizagem e envolvem a educação, tecnologias e cultura escolar. Essas características nos permitem abordá-las enquanto especialidade da Tecnologia Educativa (Area, 2009), que é a ponte com a agência de formação midiático-tecnológica (Huergo, 2010). Por isso buscamos reforçar teoricamente os aspectos comunitários e de emancipação pessoal capazes de fortalecer as relações com a agência sociocomunitária. Só assim o ecossistema educomunicativo onde se integram estas agências pode vir-a-ser sustentável. Iniciamos pela revisão de literatura que caracterizou a Educomunicação como uma epistemologia do Sul (Santos, 2000, 2018b), com viés comunitário e emancipatório; indicou a emergência de uma Teoria da Ação Educomunicativa como forma de adensar a abordagem; e aportou um método de diagnóstico com base na análise e intervenção da sociologia da comunicação. Nosso caminho metodológico foi o Estudo de Caso Qualitativo do Programa de Extensão Educom.Cine: Participação e Cidadania, realizado em 2015 pela Universidade do Estado de Santa Catarina. O programa ofertou oficinas de produção audiovisual no contraturno escolar para uma equipe formada por voluntários de organizações locais e estudantes do 6˚ ao 9˚ ano de uma escola municipal da cidade de Florianópolis/Brasil. Nesse campo de experiência com as PPE nossos objetivos foram: revisar a literatura sobre Educomunicação; refletir sobre as práticas; e inventariar o conhecimento coletivo dos participantes na proposição de novas ações. Os principais dados advieram da realização de dois grupos focais com estudantes e 15 entrevistas com profissionais envolvidos no programa. A análise foi realizada a partir das categorias sociais ontológicas do dispositivo sociocomunicacional de Vizer (2012). Nesse escopo, os resultados apontam como papel central das PPE a emancipação dos sujeitos como elos fundamentais de articulação das diversas agências de formação na escola. Outros papéis identificados foram a gestão de redes e canais que facultem espaço e voz aos atores sociais que, no contexto local, concebem práticas e produzem conhecimento (Freire & Guimarães, 2013). Num horizonte utópico, cada um seria um educomunicador co-responsável pela sustentabilidade do ecossistema educomunicativo da escola.

Pin It on Pinterest