TupyDesign
Educomunicador Rafael Gué Martini é finalista do Prêmio ODS SC

Educomunicador Rafael Gué Martini é finalista do Prêmio ODS SC

Por Rafael Gué Martini

Recebi com muita alegria a notícia que este ano estou finalista do Prêmio ODS Santa Catarina, na categoria pessoa física. Em sua terceira edição, o Prêmio busca disseminar ações realizadas pelos signatários do Movimento Nacional ODS Santa Catarina; ampliar o engajamento de pessoas e organizações que atuam com os ODS no estado; e aumentar as parcerias entre o Movimento, seus signatários, agências da ONU e governos no desenvolvimento de projetos.

O principal objetivo da premiação é reconhecer e divulgar iniciativas para o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) realizadas pelos signatários do Movimento catarinense, divididos em 6 categorias: Empresa; Instituição de Ensino; Organização de Classe; Organização da Sociedade Civil; Poder Público; e Pessoa Física.

Fui selecionado pela minha participação como redator e consultor voluntário do programa Horizonte Oceânico Brasileiro (HOB) , do qual sou integrante no Time Educomunicação Socioambiental Costeira e Marinha.

O programa HOB impulsiona a formação de capacidades inter-redes, sobretudo dos membros do PainelMar, para atuação na interface entre conhecimento (científico e local) e políticas públicas; enfatizando a criação de oportunidades para o protagonismo de profissionais em início de carreira, bem como o tema da implementação das metas do ODS 14 – Vida na água, especialmente de políticas públicas de ordenamento territorial costeiro e marinho.

A entrega do Prêmio ODS SC 2021 ocorrerá no dia 05 de novembro às 19h30, quando serão anunciados os projetos vencedores em cada categoria durante a 2ª edição do Fórum Brasil ODS. O Fórum será realizado de 5 a 7 de novembro de 2021, e acontecerá de forma híbrida (uma parte presencial e outra transmitida online), para garantir o distanciamento social, aplicando os protocolos de higiene e segurança para preservar a saúde dos participantes. O evento será transmitido a partir do Hotel SESC Cacupé, em Florianópolis/SC.

Mais que o reconhecimento pela participação no programa HOB, considero essa indicação o resultado de mais de dez anos de envolvimento com as metas de sustentabilidade da ONU. Uma trajetória que iniciou com minha participação como editor do Boletim do Movimento Nós Podemos SC, quando ainda estávamos sob a perspectiva dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM). Depois, segui no movimento como representante de organizações e, por fim, signatário como pessoa física do rebatizado Movimento Nacional ODS SC.

Agradeço o convite do parceiro e mamulengo do Coletivo Memórias do Mar, Leopoldo Cavaleri Gerhardinger, para compor a equipe de redação e agora integrante e consultor na execução do Programa HOB. Na pessoa do Leopoldo, expresso a minha gratidão à essa grande rede de redes que é o PainelMar, com tantas pessoas fantásticas e engajadas na busca de alternativas para a saúde do oceano. Na Década dos Oceanos, anunciada pela ONU, ações como essa são muito relevantes na busca de uma melhor gestão da Amazônia Azul brasileira – expressão usada para designar a área marítima da costa sob a jurisdição do Brasil.

Foi durante a realização da Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável no município do Rio de Janeiro em 2012 (RIO + 20), que os integrantes do Coletivo Memórias do Mar (CMM) (precursor do PainelMar) notaram um distanciamento entre processos de tomada de decisão (conduzidos durante a RIO+20 no Centro de Convenções Riocentro) e as centenas de discussões populares autogestionadas no âmbito da Cúpula dos Povos – que ocorreu simultaneamente no aterro do Flamengo. A preparação do Rascunho Zero do PainelMar foi iniciado no âmbito destas discussões (2012) e culminou com a definição de um Documento Base em 2015. Nesta ocasião, surgiu também a proposta de desenvolvimento de um Acordo Constitutivo para nortear a governança desta rede de redes, bem como de um plano de ação estratégico para orientar as ações práticas a serem tomadas pela Secretaria Executiva e os membros do PainelMar, além dos projetos, ações e programas desenvolvidos por estes.

O modelo operacional co-idealizado no HOB foi inspirado em ações protagonizadas pelo CMM, como o programa de conhecimentos e práticas locais iniciado no Projeto Meros do Brasil, o Projeto Babitonga Ativa, entre outras experiências que sempre incluíram a educomunicação socioambiental e a ecocidadania. Como o CMM e o PainelMar são coletivos sociais que não possuem CNPJ, buscamos sempre instituições parceiras para a realização de nossos projetos.

O Programa HOB tem como organizações mantenedoras a Fundação Grupo Boticário, instituto linha D’água, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), Instituto Costa Brasilis, Rare e projeto Future Earth (Futuro da Terra). Também são parceiros do HOB a Associação Brasileira dos Profissionais e Pesquisadores em Educomunicação (ABPEducom), na qual atuo como membro do Conselho Consultivo Deliberativo; e o Laboratório de Educação Linguagem e Arte (LELA) da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), do qual sou o atual coordenador.

Independente do resultado do dia 05 de novembro, a sustentabilidade dos oceanos e a educomunicação ganham mais visibilidade com o balançar da bandeira do Programa HOB.

Educomunicação Socioambiental é tema de encontro técnico da Casan/SC

Educomunicação Socioambiental é tema de encontro técnico da Casan/SC

No dia 05/10 ocorreu a oficina de Introdução à Educomunicação Socioambiental, ministrada pelo educomunicador Rafael Gué Martini durante o 10ª Encontro Técnico CASAN: inovando para o futuro. O foco da oficina foi na sensibilização dos participantes sobre o tema da Alfabetização Midiática e Informacional (AMI) e suas possíveis relações com a sustentabilidade.

A partir do levantamento de palavras geradoras sobre o tema junto ao público participante, foram abordadas questões relacionadas aos conceitos da educomunicação socioambiental. Esses conceitos foram exemplificados com relatos de experiências do ministrante, incentivando o diálogo com o público. A partir do relato de práticas e projetos, os cerca de 120 participantes foram levados a refletir sobre as relações entre educação, comunicação, cultura tecnológica e sustentabilidade.

Nuvem de palavras

Nuvem de palavras relacionadas pelo público ao tema da Educomunicação Socioambiental

O objetivo da atividade foi promover o conceito de educomunicação socioambiental, por meio do relato de experiências e incentivo a criação de propostas de ação no âmbito pessoal, comunitário e laboral. Com 90 minutos de duração, a interação dinâmica deixou uma sensação de que ainda há muito a explorar sobre o tema com os colaboradores da Casan. Houve a sugestão, por parte de gestores presentes, de programar outros encontros com os educadores ambientais da empresa para aprofundar o tema.

A Casan publicou matéria de cobertura em seu site com o título Oficina destaca impactos da Educomunicação Socioambiental nas comunidades. Acesse e confira mais informações.

Educomunicação é tema de workshop na Semana da Europa

Educomunicação é tema de workshop na Semana da Europa

Com o título “Educomunicação: criação, representação e arte”, o Prof. Rafael Gué Martini coordenou um workshop no dia 11/09, dentro da programação da Semana da Europa Digital. Além do professor, participaram como seus convidados o cineasta indígena Takumã Kuiukiro e a artista e animadora Jamile Coelho.

O workshop mostrou que a arte audiovisual pode trabalhar com múltiplas linguagens (trilha sonora, storyboard, roteiro, imagens de arquivo, fotonovela, etc), sempre em uma perspectiva áudio-scripto-visual. A partir do modelo de produção cinematográfica, a turma pode ser considerada uma equipe de cinema, que vai se dividir de acordo com o que cada integrante mais gosta de fazer. Foram abordadas as possibilidades da linguagem audiovisual na educação escolar; a representatividade multicultural; a arte como direito de expressão; e a necessidade de vínculo com a localidade. Entre os autores referência para a formação estão Boaventura de Sousa Santos, Ailton Krenak, Chimamanda Ngozi Adichie, Ismar de Oliveira Soares, Maria Aparecida Baccega, Paulo Freire e Mário Kaplún.

O workshop faz parte da formação de 40h “Educação Midiática e o Combate à Desinformação – O papel da Arte”, que iniciou em 1º de setembro e encerra em 2 de outubro. Os cerca de 30 participantes, selecionados pela organização do evento, vão assistir cinco workshops de 4h e realizar um laboratório de produções individuais, com as reflexões geradas pela formação.
A formação é voltada a professores de arte da educação básica de escolas públicas e privadas de ensino fundamental e médio do Distrito Federal e artistas locais que comprovaram ter iniciativas de formação voltadas a crianças e adolescentes, além de vagas extras a comunicadores e educadores de quaisquer disciplinas que tenham interesse em trabalhar com o tema.

A Semana da Europa é uma oportunidade para mergulhar no vasto mundo europeu e sua diversidade, sem sair do Brasil. Em sua 17ª edição, foi dividido em duas partes: a formação, fechada ao público selecionado; e um Seminário Internacional que ocorre dias 21 e 22 de setembro das 9h às 13h, aberto ao grande público. Confira a programação no link:
https://www.semanadaeuropa.org/programacao-seminario

Realização: EUNIC Brasília (Associação dos Institutos Culturais, Embaixadas e Consulados de países membros da União Europeia) e Delegação da União Europeia no Brasil em parceria com: Aliança Francesa de Brasília, Goethe-Zentrum Brasília, Instituto Camões – Centro Cultural Português em Brasília, Embaixadas da Alemanha, Bélgica, Eslovênia, França, Finlândia, Itália, Polônia, Portugal e Suécia; Centro Universitário IESB; Faculdade de Comunicação Social da Universidade de Brasília (FAC/UnB) e Decanato de Extensão (DEX) da Universidade de Brasília.

Educomunicação é citada no Currículo do Território Catarinense

Educomunicação é citada no Currículo do Território Catarinense

Pela primeira vez a educomunicação aparece no Currículo Base do Ensino Médio do Território Catarinense, documento que foi reformulado em 2020 para atender as mudanças previstas na Lei n. 13.415/2017, que alterou a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (Lei n. 9.394/1996). O Currículo também busca incorporar as indicações da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) para o Ensino Médio, publicada em 2018.

A menção à educomunicação é feita em um dos Componentes Curriculares Eletivos (CCEs), que são a parte flexível do Novo Ensino Médio e que podem ser definidos de forma participativa pelas escolas e seus estudantes. O primeiro Roteiro Pedagógico da área de Ciência e Tecnologia, que trata da Educação Tecnológica, sob o título “O Educando, as Tecnologias e as Linguagens Digitais”, justifica suas abordagens citando a educomunicação.

“[…] o componente Educação Tecnológica busca proporcionar situações de aprendizagem ligadas à “educomunicação”, favorecendo um ambiente de acesso aos principais elementos informativos e educacionais digitais, diante de suas múltiplas possibilidades, visando a contribuir para o desenvolvimento do pensamento crítico, criativo, reflexivo e à aprendizagem colaborativa, uma vez que amplia as possibilidades e metodologias, tanto de ensino quanto de aprendizagem” (GOVERNO DE SANTA CATARINA, 2020, p. 188).

Trata-se de mais uma iniciativa que reconhece a validade das abordagens educomunicativas nos espaços institucionais educativos. Os professores educomunicadores de Santa Catarina estão agora amparados pelo novo currículo, o que valoriza suas práticas. Essas práticas alinhadas com o currículo territorial e com as diretrizes nacionais, podem fortalecer o surgimento de novas políticas públicas que valorizem o protagonismo juvenil. Que possamos, com isso, incluir cada vez mais os jovens na gestão de suas aprendizagens.

Referências

GOVERNO DE SANTA CATARINA. Componentes Curriculares Eletivos: Construindo e Ampliando Saberes. Brasil: Secretaria de Estado da Educação; Instituto Iungo, 2020. Disponível em: <http://www.cee.sc.gov.br/index.php/curriculo-base-do-territorio-catarinense>

Educomunicação no IV Congresso Ibero-Americano de Humanidades, Ciências e Educação

Educomunicação no IV Congresso Ibero-Americano de Humanidades, Ciências e Educação

A educomunicação esteve presente no IV Congresso Ibero-Americano de Humanidades, Ciências e Educação, que aconteceu entre 23 e 27 de agosto de 2021, na modalidade online.

Nos dias 24 e 25 pela manhã, o educomunicador Rafael Gué Martini (UDESC) realizou o Minicurso (MC29) Educom.Cine – Audiovisual, Educação e Cidadania, no qual apresentou a metodologia e dinâmicas de criação inspiradas no programa de extensão de mesmo nome da UDESC. O Educom.Cine ocorre desde 2015 sob a coordenação do professor e integra vivências socioambientais, formações e produção áudio-scripto-visual coletiva na promoção da Alfabetização Midiática e Informacional (AMI) de estudantes e suas comunidades na educação básica.

No dia 26 de agosto, das 9h as 12h, o professor Rafael apresentou o trabalho Educar com Comunicação, Tecnologia e Aprendizagem, dentro do GT29: Educação, Educomunicação, Tecnologias e Cultura Digital. Além desse trabalho, foram apresentados muitos outros no GT coordenado por Graziela Fatima Giacomazzo (UNESC), Patricia Jantsch Fiuza (UFSC), Vanice dos Santos (UFPB), que teve também uma sessão na parte da tarde e promoveu ótimas discussões entre os pesquisadores e pesquisadoras presentes. Destaque para a presença do colega do grupo de pesquisa Educom Floripa, Edemilson Gomes De Souza, que apresentou seu trabalho com produção midiática e educomunicação na rede Marista de Santa Catarina e do Paraná (TVQ São José e TV Q Paraná).

Outros destaques do evento foram a conferência de abertura com a Profª. Dra. Dora Barrancos, da Universidade de Buenos Aires (UBA): América Latina en la encrucijada – Apuesta a la justicia social con justicia de género. E a conferência de encerramento do congresso com o professor Dr. Emir Simão Sader, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ): Políticas Públicas e Formação Humana.

Ótimo ver a Educomunicação presente em um evento internacional de grande porte da área da educação e das humanidades.

Mais informações no site do  IV Congresso Ibero-Americano de Humanidades, Ciências e Educação.

Pin It on Pinterest